Infecções por HPV: Mitos e Verdades é tema de encontro

AMMG Logo ok Infecções por HPV: Mitos e Verdades é tema de encontro

Reunião Multidisciplinar na AMMG reunirá médicos de diversas especialidades para falar de um problema que pode afetar mulheres e homens: HPV – Uma abordagem multidisciplinar

Data: 8 de julho, sábado. Horário: 8h30 às 12h

Local: Teatro Oromar Moreira (Avenida João Pinheiro, 161, Centro, Belo Horizonte)

Informações e inscrições: (31) 3247 1619 ou seaci@ammgmail.org.br

Público alvo: estudantes de medicina, médicos e demais profissionais da saúde

A Associação Médica de Minas Gerais (AMMG) realiza em Belo Horizonte, no dia 8 de julho (sábado), de 8h30 as 12h, mais uma edição de sua Reunião Multidisciplinar com o tema: HPV – Uma abordagem Multidisciplinar, envolvendo diversas especialidades médicas. Promovida pela Diretoria Científica da AMMG e coordenada pela Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia – Capítulo Minas Gerais, o encontro trará um dos maiores especialistas na área, o médico e pesquisador Edson Fedrizi, professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e diretor do Centro de Pesquisa Clínica do ‘Projeto HPV’, onde são desenvolvidas várias pesquisas na área sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis – DST/HPV.

De acordo com a ginecologista e obstetra e diretora da AMMG, Maria Inês de Miranda Lima, o HPV causa lesões condilomatosas (em forma de verruga) em homens e mulheres e está relacionado ao câncer de colo do útero, anal, de pênis, de vulva e de orofaringe. “Diante dessa grande implicação é fundamental promover a atualização dos mais diversos profissionais envolvidos: ginecologistas, urologistas, proctologistas, dermatologistas, otorrinolaringologistas, pediatras, dentre outros profissionais.”

Segundo a especialista, a infecção pelo HPV é muito frequente, mas transitória, regredindo espontaneamente na maioria das vezes. No pequeno número de casos nos quais ela persiste e, especialmente, é causada por um tipo viral oncogênico (com potencial para causar câncer), pode ocorrer o desenvolvimento de lesões precursoras, que se não forem identificadas e tratadas podem progredir para o câncer.

Para Maria Inês, a baixa cobertura vacinal é um os grandes problemas para vencer a doença. “A vacinação para meninas, indicada de 9 a 13 anos alcançou cobertura de 90% na primeira dose, em 2015. Na segunda dose, os índices estão em torno de 50%. O que é muito ruim, pois para alcançar a proteção necessária são necessárias duas doses.” Segundo ela, vários fatores interferem para esse quadro. Um deles é fato da vacinação ter saído das escolas e a outra, a propagação de efeitos adversos em meninas, que até hoje não foi comprovada cientificamente.

Na mulher, o HPV pode desencadear um tumor a partir de lesões precursoras no colo do útero, totalmente curáveis na maioria das vezes. Se não tratadas, podem, após muitos anos, se transformarem em câncer. Estima-se que somente cerca de 5% das pessoas infectadas pelo HPV desenvolverá alguma forma de manifestação.

Para os meninos, que também podem sofrer com a infecção, a chegada da vacina na rede pública foi aprovada este ano, sendo o Brasil o primeiro país da América do Sul a autorizá-la. “A indicação para está faixa etária se deve a melhor resposta imunológica e ao fato de ainda não ter tido contato com vírus do HPV. No entanto a vacina está indicada em outras faixas etárias e situações”, explica.

A transmissão do vírus se dá por contato direto com a pele ou mucosa infectada. A principal forma é pela via sexual, que inclui contato oral-genital, genital-genital ou mesmo manual-genital. Também pode haver transmissão durante o parto. Não está comprovada a possibilidade de contaminação por meio de objetos, do uso de vaso sanitário e piscina ou pelo compartilhamento de toalhas e roupas íntimas.

A reunião multidisciplinar contará com a participação de especialistas da Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia – Capítulo Minas Gerais (ABGTGIC), Sociedade Brasileira de Dermatologia – Regional Minas Gerais (SBD-MG), Sociedade Brasileira de Urologia – Regional Minas Gerais (SBU-MG), Sociedade de Otorrinolaringologia de Minas Gerais e Sociedade Mineira de Pediatra (SMP). Inscrições: seaci@ammgmail.org.br ou (31) 3247 1619.

ENTREVISTAS E MAIS INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA:

Assessoria de Imprensa da AMMG:

Daniela Colen/Nétali Leite/ Renata Clímaco

(31) 3247 1615 / 3247 1639 / 3247 1630

Sobre assessoria